Xarope

A ação esperada de qualquer medicamento expectorante está indicado no tratamento sintomático da tosse (irritativa, não produtiva, espasmódica, seca) associada a várias condições respiratórias.

Contra-indicações e precauções

Informe seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início ou durante o tratamento.

Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico, pode ser perigoso para a sua saúde.

Características - Modo de ação

O xarope expectorante é um medicamento antitussígeno e expectorante, resultante da associação da oxomemazina, anti-histamínico de síntese, dotado de propriedades antitussígenas e sedativas; guaifenesina, antisséptico das vias respiratórias e expectorante; benzoato de sódio, fluidificante das secreções brônquicas e expectorante.

Indicações

Tratamento sintomático da tosse, seja irritativa, não produtiva, espasmódica ou seca; associada a várias condições respiratórias.

Contraindicações

Este medicamento é contraindicado às pessoas sensíveis aos componentes da fórmula, à pacientes sensíveis ao iodo ou que apresentam insoficiência respiratória, qualquer que seja o grau, afecções hepáticas e renais graves.

Precauções e advertências

Este produto dever ser administrado com muito cuidado em pacientes que apresentam taquicardia, insuficiência cardíaca ou falência coronariana. Antes do início do tratamento antitussígeno, é conveniente que se investigue as causas da tosse, para identificar aquelas que requerem tratamento etiológico próprio, principalmente asma, câncer, afecções endobrônquicas, entre outras.

Caso a tosse persista após a administração de antitussígeno em doses usuais, não é conveniente que se aumente a posologia, mas que se faça uma revisão da situação clínica. Recomenda-se não utilizar este medicamento em crianças com menos de 2 anos de idade. É desaconselhado o consumo de bebidas alcoólicas durante o tratamento com expectorante devido à presença da oxomemazina.

Deve-se ter cautela ao administrar o expectorante a indivíduos condutores de veículos ou máquinas potencialmente perigosas, devido ao risco de sonolência.

Uso na gravidez: A inocuidade de expectorante durante a gravidez ainda não foi estabelecida. Portanto, recomenda-se que a sua utilização somente seja feita após avaliação da relação risco-benefício.

Interações medicamentosas: O expectorante pode potencializar os depressores do SNC, bem como os atropínicos centrais, quando em associação com outras substâncias anticolinérgicas (outros anti-histamínicos, depressores imipramínicos,neurolépticos fenotiazínicos, antiparkinsoianos anticolinérgicos, antiespasmódicos atropínicos e disopiramida). O uso concomitante com diuréticos poupadores de potássio podem levar à hiperpotassemia (hipercalemia) e arritmias cardíacas.

Reações adversas - efeitos colaterais e alterações de exames laboratoriais O iodeto de potássio pode induzir casos raros de iodismo, com hipersecreção das glândulas exócrinas como as nasais, lacrimais e traqueobrônquicas, caracteriza-se por diversas erupções cutâneas acneformes, pruriginosas ou eritematosas, cefaleias. O efeito adserso mais comumente observado é sonolência. Entretanto, mais raramente, pode-se observar constipação e retenção urinária, confusão mental, boca seca, efeitos gastrintestinais (em particular intolerância digestiva), discinesias tardias, leucopenia e agranulocitose.

Alterações de exames laboratoriais:Por causa do iodeto de potássio, o expectorante pode interferir nos exames de determinação da função da tireoide.